Gestão Estratégica: 4 dicas infalíveis para tempos de crise

Tempo de leitura: 4 minutos

gestão-estratégica

A gestão estratégica é o fator determinante para o sucesso da empresa, e em tempos de crise é comum vermos as empresas reduzindo custos, cortando gastos, promovendo o downsizing, eliminando benefícios, deixando de contratar, cobrando mais metas, etc.

Com estes acontecimentos, o clima empresarial pode se tornar tenso e as pessoas, de uma forma geral, mesmo que inconscientemente, tendem a pensar no pior, a desanimar, a descrer, a formular teorias sobre os prováveis problemas futuros que levam a um quadro de apatia no ambiente de trabalho.

Dentro das organizações, é importante que todo bom gestor contemple uma gestão estratégica em tempos de crise de forma a criar estratégias que revertam o quadro de desânimo dos seus colaboradores, promovendo um ambiente acolhedor, motivador, positivo e com perspectivas de crescimento.

Milagre? Não. A estratégia é justamente atuar de modo assertivo fazendo com que um fato que parece não ter solução se torne algo inovador, criativo e que gere mudanças com resultados positivos.

Quer saber como? Continue lendo que vamos te contar a melhor maneira de colocar a gestão estratégica em prática.

Gestão estratégica: Crise x Crie

A Gestão Estratégica deve gerar nas organizações a visão de que uma “CRISE” ao tirarmos o “S” da palavra transformamos-a em “CRIE”. Ou seja, este será o momento de criar novas possibilidades de negócios, abrindo espaços para clientes novos, desenvolver processos mais eficientes, um ambiente com uma equipe mais unida (onde todos irão buscar maiores resultados para a empresa), com foco em um melhor resultado para o “todo” e não para o “individual”.

crise-x-crie

O QUE FAZER?

1. AUTOCONTROLE

É importante que a empresa promova atividades que incentive e instrua aos colaboradores a se autocontrolarem, controlarem suas emoções, suas finanças, saberem lidar com o momento em que se vive. Isto pode ser efetivado por meio de palestras educativas, consultoria especializada e ações de comunicação interna.

Este é o momento de colocar o pé no freio para gastos pessoais, obter uma educação financeira mais efetiva e, em contrapartida, é o momento de acelerar as vendas, em busca de novos clientes e de atingir as metas organizacionais.

2. É HORA DE REVER

Os gestores devem rever suas estratégias anteriores, mudá-las, adaptá-las, pensando na solução do problema. Rever processos, metas, pessoas. Construir uma gestão mais participativa e instigar ideias inovadoras. Tudo isso integra a gestão estratégica com foco em resultados.

Uma forma de fazer isto acontecer é promover um brainstorming, pois assim todos poderão participar e trazer suas ideias, seus pensamentos e colocar em prática o lado empreendedor que o momento necessita. Este é um momento mais do que nunca de unir forças.

3. NEGOCIAR

Traga os funcionários ainda mais para o lado da empresa. Se for negociar com sindicatos, faço-os participar, entender a demanda do momento, não faça surpresas desagradáveis demitindo várias pessoas do dia para a noite, pois os que ficarem trabalharão em um clima de incertezas para o dia posterior.

Coloque-os cientes da situação e das intenções de resolução da empresa, assim ambas as partes sairão ganhando. A gestão estratégica é função da diretoria, no entanto, são os colaboradores que fazem sua empresa andar. Por isso, mantenha a relação mais transparente possível.

4. POSITIVIDADE

Conforme Napoleão Bonaparte “Um líder é um vendedor de esperança”. Sendo assim, seja positivo em suas falas, em suas ações, em suas emoções. Os líderes são os modelos e exemplos nas organizações.

A gestão estratégica corresponde a uma liderança assertiva e de qualidade. Líderes negativos, liderados negativos. Líderes positivos, liderados positivos, essa é a regra e não podemos mudá-la.

Gestão estratégica na prática

Vivenciamos um momento de crise e provavelmente outros momentos como este existirão. Mas gerir estrategicamente é ter em mente que quando as crises surgem podemos usá-la a nosso favor, aprendendo a nos adaptar, a criar, a mudar, a rever, a melhorar.

A crise cria movimentos necessários para nos levar a um novo que talvez sem ela não fizéssemos acontecer. É na crise que você poderá criar oportunidades e colocar em prática novas estratégias e direcionar sua gestão empresarial.

O que vale mesmo é não perder a perspectiva jamais, e aproveitar esses momentos para ganhar novos aprendizados e experiências organizacionais, afinal, não há triunfo sem perdas e nem vitórias sem sofrimento.

Flávia Cibelle S.Flávia Baptista – Graduada em Administração de Empresas pela faculdade FACECA-MG, pós-graduada em Gestão Estratégica de Pessoas pela UNIS-MG, está cursando psicologia na Faculdade UNIFENAS de Varginha-MG e pós-graduação em psicopedagogia institucional e clínica pela faculdade UCAM-SP. Mais de 10 anos de experiência em Gestão Organizacional e de Recursos Humanos.  Atualmente é Diretora Executiva da empresa NAERH – Núcleo de Apoio Empresarial em Recursos Humanos, empresa de consultoria em Gestão Estratégica de Pessoas. Atua também como professora de graduação e pós-graduação em disciplinas de Recursos Humanos e ministradora de cursos diversos na área administrativa e de R.H.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *